Melhores Pílulas Anticoncepcionais

A escolha da pílula anticoncepcional correta pode fazer toda a diferença na vida e no bem-estar da mulher moderna.

Artigo publicado por Maria nas categorias: Bem-Estar, Mulher, Saúde

A pílula anticoncepcional é tida pela sociedade como uma evolução, um verdadeiro marco na vida das mulheres e no planejamento das famílias. Ela foi inventada em 1960 e foi mais um dos símbolos da mudança de pensamento de uma nova geração, que buscava a felicidade e corria atrás dos seus sonhos. E a pílula sofreu muitas modificações até aqui, com milhares de versões criadas em diferentes laboratórios em todo o mundo, que foram aceitas pelas mulheres com o passar dos tempos.

A maioria das versões que estão disponíveis no mercado hoje tem uma carga hormonal cerca de dez vezes menor do que as produzidas inicialmente, o que foi de extrema importância para que as mulheres se adaptassem melhor e pudessem utilizar o anticoncepcional com mais frequência e eficiência.

pílula e camisinha

O mais confiável

Hoje a pílula anticoncepcional é o método contraceptivo mais utilizado pelas mulheres, e o grande responsável pela redução da natalidade no seio das famílias por todo o mundo. Entre a camisinha, DIU e outros métodos conhecidos, é a ela que as mulheres recorrem na maioria das vezes quando não querem o risco de engravidar, principalmente em relações estáveis. A pílula anticoncepcional é ainda muito utilizada pelas mulheres desde a adolescência, para controlar os efeitos da TPM e melhorar o bem estar da mulher nas fases mais críticas de oscilação hormonal. Problemas como acne severa, cólicas em níveis insuportáveis, dores de cabeça e no corpo e até a irritabilidade já são motivos para o uso da pílula, mesmo que muitas vezes o uso comece cedo demais.

Como escolher

Há diversas fórmulas no mercado que estão acessíveis às mulheres, mas não é possível determinar a mais indicada para cada pessoa. O médico poderá avaliar cada caso em particular e sugerir uma ou algumas opções, mas somente o teste com a pílula recomendada poderá dizer se ela é a mais indicada. Muitas mulheres são mais sensíveis a determinadas versões da pílula, e após alguns testes com marcas diferentes é possível chegar a uma marca e carga hormonal adequada para o dia a dia.

Seria completamente descabido e sem propósito uma lista de marcas ou de laboratórios para a escolha da pílula como sugestão, até porque isso tenderia a um salto de um importante passo no processo do uso da pílula pela mulher: a consulta ao ginecologista, os exames e o aconselhamento direcionado feito por ele. Dessa forma, o primeiro passo para quem pensa em começar a tomar a pílula é marcar logo uma consulta.

A saúde completa

Há uma discussão sobre o uso da pílula pelas mulheres, uma discussão paralela aos consultórios médicos e alheia à maioria das pacientes. O caso é que quase todos os ginecologistas defendem o uso da pílula anticoncepcional como rotina, como algo contínuo que pode evitar diversos problemas para a mulher.

pílula

Muitos defendem, inclusive, que as meninas logo após as primeiras menstruações iniciem o uso do método contraceptivo, para uma vida mais cômoda e uma fase sem muitos problemas e efeitos relacionados à TPM. Mas muitos outros médicos e terapeutas não acreditam que essa seja uma boa opção. Mesmo com a diminuição da carga hormonal nas pílulas de hoje, esse método é uma avalanche de hormônios mesmo para mulheres adultas.

Bom-senso e cautela

Essa injeção hormonal pode evitar problemas e desconfortos para a mulher, mas pode gerar uma série de desequilíbrios e problemas futuros para ela. A saúde da mulher depende de um equilíbrio tênue e dependente de muitos fatores, sendo que os hormônios são as substâncias reguladoras mais ativas no corpo feminino. Alterar drasticamente a quantidade de um hormônio no corpo da mulher pode gerar um terreno instável e fértil para diversos problemas emocionais e, por consequência, físicos também. Indicar a pílula para meninas logo após a menarca soa como mais um absurdo da medicina alopática tradicional, e que deve ser pensado pelas mães e pacientes.



Comente!




*Campos obrigatórios